terça-feira, 22 de novembro de 2011

padre corrompido 2 parte

Ele passou a ir mais vezes nos visitar. Sempre gostei de ficar bem a vontade, principalmente em casa, minhas roupas eram minuscúlas além de gostar do conforto de liberdade me deleitava com os olhares ora famintos e desejosos, ora invejosos e admirados. Sabia que despertava algo no padre Guido, pois via a mensagem que ele tentava ocultar nos olhares pro meu corpo. Em uma das visitas em minha casa eu não estava presente, ele estava de saida quando cheguei, perguntei se ele tinha pressa e pedi mais alguns minutos que tinha algo para perguntar a respeito de um livro biblico, aproveitei a idéia para ficar mais próxima dele e foi assim, com a desculpa da resposta pra minha dúvida que dividi o sofá de dois lugares com ele, sentei pertinho me acheguei o mais que pude, assim tocando a coxa dele tomando cuidado para não espanta-lo eu não tinha o menor interesse no que ele lia, mas esse foi meu primeiro passo e com grande efeito, ele já havia percebido meu interesse lógico, depois de alguns dias soube o quanto ele apreciou aquela aproximidade.
Dias depois, ele havia pedido para minha mãe passar na casa paroquial e pegar umas mudas de hortelã, ele sabia que não seria ela que buscaria as mudas pois minha mãe lecionava os dois turnos do dia, coube a mim cumprir a tarefa mais excitante da minha adolescência, bati na porta e fui atendida pelo próprio, ele me olhou dos pés aos olhos eu o encarei e sustentei o olhar por alguns segundos, sorri como de costume e entrei. Ele me pediu para segui-lo, logo em seguida me perguntou se eu estava com sede e me ofereceu suco de goiaba, agradeci e disse que não sempre olhando nos olhos dele, baixando a vista ele apreciou minhas pernas e ficou por tempo lá, eu estava com um shorts jeans curtinho e colado baixei a vista pra calça dele e pude perceber o volume, e me excitei com o que vi... no quintal havia uma cadeira eu me sentei e cruzei as pernas enquanto ele cuidava das mudas, não demorou para voltar onde eu estava, me perguntou o que eu tinha sentido quando ele me viu nua, respodi que não esperava aquela surpresa um tanto excitante e constrangedora e que pensava nele com frequencia, aproveitei e perguntei o que ele havia sentido, ele me respondeu que meu corpo era tentador e que pensava em mim também o que não deveria, aproveitei e aticei ele pedindo um beijo, não precisei repetir o mesmo pedido ele se ajoelhou e me beijou com vontade me levantei com a intenção de intensificar mais o contato corporal, colei meu corpo ao dele e com uma das mãos acariciei os cabelos... ambos estávamos ardendo de desejo e tesão, ele acariciava minhas costa puxava meus cabelos para trás beijando meu pescoço e levantando minha blusa expôs meus seios enchendo as mãos, aqueles toques me deixaram completamente louca sem reservas, puxei a cabeça dele para baixo para abocanhar meus seios entumecidos... estava molhada, excitada e desejei ser penetrada puxei a mão dele para meu ventre ainda vestido, ele parou de repente me olhando nos olhos e me pediu pra ir embora, que eu não comentasse aquilo com ninguém me pedindo desculpas e que nunca mais faria aquilo de novo, fiquei envergonhada e disse que eu quis que acontecesse, ele me disse que era errado que eu era uma criança e ele não podia, dei as costa indo embora ainda desejosa por algo mais, muito mais... no fundo sabia que não pararia ali que haveria continuidade e estava certa, houve.
INACABADO

sábado, 19 de novembro de 2011

O padre corrompido pelo tesão

Hoje me lembrei do belo "irmão" Guido, homem generoso de boa fé descendente de italiano. A primeira vez que nos vimos foi constrangedor para ambos, foi numa manhã de sábado, lembro-me que na sexta à noite, tinha ido a uma festa de despedida de uma amiga que estava de partida para outra região. Na manhã de sábado sem noção de que minha mãe estava com visitas e como eramos só nós duas na época, acordei e semi nua fui diretamente na cozinha beber água, estava só de calcinha. Minha mãe sempre gostou de plantas especialmente as medicinais, está aí o motivo do silencio e ausencia de terceiros, ela estava mostrando o seu pequeno jardim, pois o irmão tinha o mesmo interesse por plantas. Eu tinha acabado de beber quando o irmão Guido entrou na cozinha de repente, me assustei lógico, e ele tambem, ele pediu desculpas e virou enquanto isso corri de volta para o quarto envergonhada não pela forma física do meu corpo, sempre tive prazer das minhas curvas bem feitas, e pensando no homem alto, bonito de olhos azuis, logo em seguida minha mãe apareceu e perguntei para ela com quem ela conversava. Dias depois fomos apresentados, percebi que ele não havia esquecido do episódio, muito menos eu, ele não comentou o ocorrido mesmo assim pude perceber o quanto ele se incomodava com minha presença, fui conquistando-o aos poucos agindo com naturalidade, na época achava que estava apaixonada pelo padre, meus pensamentos eróticos eram com ele, me masturbava fantasiando beijos e sexo com aquele homem.
Passei a frequentar a missa aos domingos, sempre procurando estar perto, as vezes fazia questão de esbarrar, tocar meu braço no braço dele, encarar aqueles olhos lindos e quando sozinha, como de costume me masturbava.
Tem continuação.......

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Enigma - Carly's Song (Version 2)

Estou te caçando sem segredo, pronta a saciar a sede do desejo e me afogar de vez na tua paixão
vem, estou morrendo de sede, subindo as paredes........

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Timidamente ousada

Menina, hora tímida, hora ousada
você está "embreagada", de paixão
Às vezes me olha como se eu fosse formidável
como se eu fosse uma beleza,
você me põe uns olhos vidrados de cabrocha em transe
e eu sinto suas mãos me percorrendo, me descobrindo
e eu já nem sei o que sou ou pra onde vou
ou por outra, sou apenas a mulher que você deseja abraçar
com ternura, beijando meus lábios, acariciando meus seios e tomando meu corpo

Espero que goste menina ousada e levada

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Peão

Hoje se entrega em meus braços escravo
olhos tontos de amor que aos poucos me farto,
ontem era o homem ideal que eu procurava
que enchia a minha insônia a rondar meu quarto...
que ao meu olhar parado e indiferente,
há pouco se despiu, já me ouviu murmurar
em êxtase fremente:
_ Sou sua! ...
e já me disse, a delirar: _ Sou teu e sou louco por ti!

Hoje, seu corpo é um livro aberto em meus sentidos
já não guarda as surpresas de antes para mim...
não importa se há livros muitas vezes relidos
importa ... que afinal, todos eles tem fim...


Sonhos eróticos

Nos úlltimos dias os sonhos tem adquirido uma dimensão cruelmente sexual,
acordo deles excitada e transpirando,
a respiração rápida e ofegante,
as coxas apertadas uma contra a outra.
Só uma louca poderia partilhar uma
esmagadora paixão erótica com um homem
cuja presença mais próxima é na tela do meu monitor...

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Dirty Dancing - Cena Deletada

Desnuda na quentura do espaço transpirando pecado, baila a ânsia e o desejo da insana fantasia.....

domingo, 25 de setembro de 2011

Meu corpo queria o toque das tuas mãos
arrepiando minha pele
eriçando meus pêlos,
percorrendo lentamente
pescoço, seios e ventre
num indo e voltando ardentente
me excitando,
me atiçando...
arrancando de mim suspiros,
me levando ao delírio...
VEM...
vamos nos misturar,
nos fundir
com amor e sem pudor
se entregar e viver
intensamente esse amor...


sábado, 24 de setembro de 2011

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Vem,
provar meu corpo,
descobre o que o excita,
toma-o  como se fosse teu,
Vem,
sente como estou para ti,
deixa-me ter e ver o que nunca vi,
que visão, que bom invadir teu coração,
que bom o sabor de uma penetração...
sabes que tenho minha cama vazia?
talvez a preenchas um dia.
Eu amo-te,
eu quero-te,
eu desejo-te
...


quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Saudades

Esta saudade es tu
e é
toda feita
de ti,
é a tua falta viva, em meu corpo,
na minha alma
enquanto eu morro no meu pensamento
...


quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Luxúria


Dobro os joelhos
quando você,
me pega,
me amassa,
me quebra
me usa demais...
Perco as rédeas
quando você
demora,
devora,
implora e sempre por mais...

Eu sou navalha
cortando a carne,
a boca que a língua invade...

Sou o desejo
maldito e bendito
profano e covarde...

Faça assim de mim
que eu
gosto e me dobro
e não te cobro
ordene,
não peça
muito me interessa
seu calibre e
sua potência...

Sou encaixe violado
com pernas por
todos os lados,
derrapando no seu corpo
surpreendendo seus movimentos
e virando o jogo...

E por fim,
o preço cobrado
e
bem pago
...

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

O que fazer ente um orgasmo e outro,
quando se abre um intervalo sem
teu corpo?
Onde estou,
quando não
estou no teu gozo
incluido?

domingo, 4 de setembro de 2011

Fantasia exata se cumpre a distância

Não me tente homem, que enlouqueço
e dos pudores eu esqueço,

ante o que insinua,
há tempos que o desejo
dançar ao som dos teus gemidos
o
frenesi
da
paixão
sentir no corpo teu
o
meu
desejo
e
paixão
...

Vontade

Meu corpo a te procurar-te, febre de mãos no teu corpo
doido anseio do teu cheiro e calor,
sede de beijos
fome do teu corpo no meu
e
assim vou deslizando meus dedos por esta estrada sedosa...


Volta ao paraíso

Tudo estava preparado e organizado para a tão sonhada e almejada viagem de férias para o litoral. Duas amigas livres e cinco dias de pura diversão e deleite.
Resolvemos ir de ônibus ao invés de dirigir por horas, o que não imaginei foi o fato de dividir uma poltrona com um cara tímido de uma beleza fora do comum. Minha amiga pensou na ideia de pedir alguém para a troca de poltronas, diante da minha companhia desistiu com um sorriso nos lábios que diziam “filha da puta sortuda”.
Ao tomar meu acento, logo em seguida o comprimento: Eu: _ oi, tudo bem?! Sou L........! resposta: um aperto de mãos..... _ tudo bem, obrigado! Sou Rogério!
Eu: _ E então Rogério, está indo pra onde?
Ele: _ Luís Correia! E você?!
Eu: _ poxa vida, eu também! Risos....
Ele: _legal! Minha irmã foi na frente com o restante da galera, precisei ficar por causa de uma recuperação de uma disciplina.
Eu: _ poxa, que chato hein?! E então, como foi à avaliação?!
Ele: _ legal! Vou me sair bem!
Eu: _ ótimo!
Pausamos a conversa e nesse interim cogitei o quanto o rapaz supreendentemente lindo, era inteligente e tímido também! Olhei para ele e percebi que estava quase adormecendo ou fingido estar, resolvi deixa-lo quieto e ouvir música. O que não consegui foi resistir tentações das ideias obscenas e insanas que passeavam na minha mente, meu  racional  moral contra meu imoral e lascivo. A noite chega, paramos na próxima  rodoviária desci acompanhada da minha amiga, curiosa, ela pergunta sobre o parceiro, excitada, respondo suas perguntas e comento minhas ideias pervertidas, risadas rolam não percebemos a presença do Rogério logo atrás, nos olhamos nos perguntando se ele ouviu algo, ele se aproximou e perguntou se queríamos fazer um lanche rápido ou beber algo, agradecemos e voltamos para o ônibus, logo em seguida ele retorna com uma água de coco e me oferece, eu agradeço e aceito devolvendo logo depois com um olhar faminto e provocativo, surpreso ele desvia o olhar e comenta estar com sono, eu disse, tente dormir então, é o que vou fazer, disse ele pegando de sua mochila uma jaqueta jeans onde colocou em cima de suas pernas. Fiquei tentada em tocar, massagear suas pernas, não resistindo fiz, no começo de leve, minha mão boba sentou sobre sua perna, atrevidamente massageava a coxa, inesperadamente Rogério segurou minha mão acariciando meus dedos, tomada de surpresa e alívio continuei o passeio explorando ousadamente a região mais íntima, fiquei maravilhada e excitada com a rigidez, espessura e tamanho daquele membro compenetrado! Ele abriu o zíper e pôs minha mão em seu pênis, masturbei compassadamente ao ritmo da excitação de ambos enquanto Rogério acariciava minhas coxas e virilha sussurrava, que loucura somos dois loucos, se flagram a gente, seremos jogados fora do ônibus por atentado ao pudor. Risos... silenciei aquela boca convidativa com beijos e um dançar de língua alucinado de tesão e prazer, suas mãos hora afagava e puxava meus cabelos estendendo meu pescoço, mordiscando e lambendo com fome e desejo. Afastei-me um pouco e olhei pros lados, frente e traseira do ônibus, quietude. Atrevida, me livrei do shorts sentando cuidadosamente cavalguei por minutos, que pareciam horas de febre, fome, ânsia e por fim, orgasmos múltiplos.
Chegando ao nosso destino, sua irmã com o namorado o esperava, depois das apresentações, fomos juntos até a casa onde ficaríamos, mais tarde nos encontraríamos na praia.
Passamos os cinco dias planejados na companhia um do outro, eu e minha amiga adiamos nossa partida e voltamos de carona com Rogério, sua irmã e namorado. O texto é o início dessa divertida e prazerosa viagem, não acabou.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011



Afrodite lembra afrodisíaco. Daí pensar em ostras, entre-cascas da melancia, amendoim e até o Viagra, fazem parte de nosso cotidiano.
Pensando neles, fiz um teste com um ex-namorado. Por seu intermédio, descobri algo sobre sua juventude. Ele, que se dizia hetero, admitia ter participado entre os 17-18 anos, de um envolvimento meramente sexual, com um  seu  amigo de infância e adolescência. Foi nesse comentário que comecei a pensar no fogo da paixão.
Eles, mesma idade, não se suportavam. Trabalhavam na mesma empresa, eram rivais perante o chefe e aparentemente não se conversavam. Chegavam todo dia, pelo menos vinte minutos antes do inicio das atividades, para ver uma universitária, secretária executiva, que após o almoço, dava uns cochilos e deixava à vista, um par de generosos seios. Isso fazia a festa. O amigo e meu ex se olhavam e caminhavam para o banheiro. Por diversas vezes se masturbaram, um na frente do outro, desejando ver além do decote daquela colega. Nessas intimidade, surgiram fantasias de ambos os lados, até que um belo dia, os dois adolescentes resolvem fazer uma viagem à casa de parentes.
Casa pequena, quartos lotados, sobra o sofá-cama para os dois visitantes. Altas horas, meu ex namorado sente um movimento calmo e constante, como se quisesse certificar que seu colega de cama estivesse acordado. Por sua vez, o amigo queria apresentar seu dardo ao companheiro de dormida. Silêncio total, por sob os lençóis, começou uma pegação, onde a mão não subia o umbigo, nem descia às pernas.
Nessa zona erótica, a mão passada rapidamente sobre o corpo ao lado, começou a apalpar o entre pernas, com uma carícia um tanto excitante, atingindo de imediato, a fonte do prazer.
Silêncio completo, luz da cozinha acesa, cumplicidade das maiores entre os dois personagens, até que os dois resolvem, sem palavra, trocar carícias.
Achei interessante que, após alguns meses, eles foram dispensados do serviço, onde assessores nunca desconfiavam de nossas diferenças.
Em quatro paredes, os dois se davam muitíssimo bem, a ponto de dividirem a mesma namorada.
Segundo meu ex, eles continuaram amigos por mais 01 ano. Belo dia resolvem se despedir, mas passando um tempo juntos e sozinhos em uma chácara. Nesse dia iniciou o complexo de inferioridade de meu namorado, pois se assustou ao ver ao vivo e a cores, o tamanho da ferramenta do prazer. Tamanho GG, grande e grosso, daqueles que entra rasgando e sai rasgando mais ainda. Foi um dia prazeroso a esses dois personagens, que ao anoitecer, trocaram confidências e carícias e cada um foi para seu canto.
Restou a mim, desejar ter visto algo além da média, que hoje me penetrasse, para sentir qual a diferença entre essas ferramentas e seus possuidores.
Continuo divagando, excitada e tentada a participar de experiência semelhante.

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Noemi e Fiorella Mannoia - L'Amore Si Odia (Nuovo Singolo - Intero)


PAIXÃO
Estopim aceso ... minha adrenalina arde até a retina quase a me cegar.....
Faca de dois gumes preso por ciúmes ... livre pra voar.....
Vale até mentira mas ninguém me tira meu enfeitiçar .....
PAIXÃO
É minha tortura, loucura e cura ... minha guerra e paz
meu certo e errado.
Passione .................................................................................

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Em meus momentos escuros
Em que em mim não há ninguém,
E tudo é névoas e muros
Quanto a vida dá ou tem,
Se, um instante, erguendo a fronte
De onde em mim sou aterrado,
Vejo o longínquo horizonte
Cheio de sol posto ou nado
Revivo, existo, conheço,
E, ainda que seja ilusão
O exterior em que me esqueço,
Nada mais quero nem peço.
Entrego-lhe o coração.

Fresta ( Fernando Pessoa )
video

sábado, 8 de janeiro de 2011

Ele, o solitário


Ontem resolvi dar crédito a uma idéia diferente. Graças a solidão de um amigo aqui próximo, pensei duas coisas. Desfrutar gostosamente da virilidade do conhecido solitário e extrair o máximo proveito da companhia.
O brasileiro cafezinho foi o grande vilão. Sabedora que ele gosta da bebida quente, fiz alguns trocadilhos no convite insinuando o apetite sexual. Café "fresco", embora ele esteja quente e novo.
Passado trinta minutos, recebo meu convidado em minha cozinha. Mesa posta, duas cadeiras de frente uma com a outra. Para minha surpresa, ele chegou vestido em uma bermuda larga e curta. Ligeiramente percebi que ele estava sem cueca. Com o café em sua xícara, comecei a dizer:
Vai devagar! E aí, está gostoso? como você é jeitoso com os lábios! Aos poucos ele foi percebendo minhas intenções e vi ele disfarçadamente passar a mão sobre seu membro. Olhei para suas pernas cabeludas, tive tesão. Deixei sem querer, querendo, que ele percebesse meu olhar, acompanhado de desejos.
Nossos olhares foram trocados, firmei a vista na sua, baixando lentamente os olhos para um ângulo abaixo da sua cintura.
O safado abriu devagar as pernas e percebi seu mastro. Procurei me certificar que estávamos só, e o sacana abriu um pouco mais e pude ver que aumentava de tamanho. Sem palavras, senti que eu podia levantar "o moral" de um homem sem fazer muito esforço.
Continuei a conversar e deixei meu decote mais solto, permitindo que ele percebesse o volume dos meus seios. Fui fazendo o jogo da sedução a medida que eu me mexia, ele não pestanejava, fitando meus seios com um prazer maior que minhas tetas. Mudou sua cadeira de lugar e sutilmente, deixou sua glande à mostra. Desviei o olhar, mas algo me puxava para aquela região do seu corpo. Pedi licença, fui ao meu quarto e constatei: estava molhada, sozinha e com uma enorme tesão.
Pensei nos prós e contras. Tirei minha calcinha e fui sentar-me no mesmo local. 
Repetimos outra xícara de café e ele, sem cerimônias, passou a mão sobre a minha. Me excitei e pensei: "O que será que ele tem coragem de fazer? será que vai me beijar?" como se lesse meus pensamentos, levantou-se calmamente, acariciou meus cabelos e me roubou um beijo. Tremi de tesão. Em seguida senti suas mãos massageando meus seios, e em poucos minutos estavam em sua boca. Percebendo que eu estava sem nada por baixo do vestido, caiu de boca na minha xana. tive apenas o cuidado de dar passagem a sua maravilhosa língua e segurar sua cabeça sobre meu ponto de prazer. Disse ele, " que café gostoso!" E continuou a me sugar, como se estivesse com muita sede em busca de água. Terminei puxando-o para cima da mesa e como ele me penetrava com rapidez e força, fui rapidamente gozando. foi uma grande "foda". No dia seguinte, estava toda doida, mas prazerosa por ter sido comida por um cavalo vestido de homem. Tesudo, bruto e faminto, mas tolerante aos caprichos de uma égua no cio.

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Cá estou, e trago-te o tesão de querer-te agora.
Não vim para falar-te bonito, apenas as cruas obscenidades do meu louco desejo. Prepara-te homem, teus desejos satisfarei ... pede, e eu obedeço .... mostra-me, diz como tu queres,e mostro-te o alem do “ limite “. Saiba, fome tenho, e saciar-me depende do teu querer.
Sedenta e nua estou. Procuro-te cegamente... não são meus olhos vendados, mas a cegueira da vastidão da volúpia em mim. Então vem, vem e foda-me... liberta-te sacia tua sede, vem desvenda tuas curiosidades, desejos e fantasias, seja criativo e pratica tua imaginação...
Eu, a mulher, amante e puta depravada a tua espera..............